Sábado, 30 de Dezembro de 2006

Coelho de Sousa: Do amor e do ódio (VII)

 


Palestras de Domingo



Do amor e do ódio




E senão, veja-se:

Se vais junto do altar de Deus fazer a tua oferta, estando mal com o teu irmão, deixa aí o que levas para ofertar e vai primeiro ao encontro duma reconciliação de amor.

Uma alma não se eleva sem elevar o mundo consigo.

Uma oferta não tem valia se o coração está dividido.

Deus não aceita a oferenda para si quando ela não trouxer consigo os que são dele e nele estão.

É que só o amor uniu o que estava separado.

E só o ódio tenta, hoje como sempre, quebrar o que em Deus, por Cristo, a Graça prendeu e divinizou.

E pensar a gente que, às vezes, os ódios de famílias e nações nascem e avolumam-se dum despeito ou dum ciúme, dum palmo de terra ou dum adjectivo de louvaminha untuosa.
Tags: ,
publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Dezembro de 2006

Coelho de Sousa: Do amor e do ódio (VI)



Palestras de Domingo



Do amor e do ódio
 



Desta maneira, a cruz ficou a ser um altar de vida onde o ódio se converte em amor.

Uma cruz é um abraço.

Um abraço e sempre um círculo de amor.

Taine tinha muita razão quando disse:

Amar é sofrer.
Não amar é morrer.

Embora Cristo tenha morrido de amor e, por ele, quantos o seguiram.

No fundo de muito heroísmo está sempre o muito amor,
como na raiz de toda a desgraça está o ódio,
ainda que que talvez disfarçado em caricatura de bem querer.

Depois disto, veja-se como é condenável este pensamento de Alexandre Dumas:

"Filho, odiar o próximo deve ser uma das boas razões para amar a existência".

Tal afirmação vai directamente contra a resposta de Cristo ao fariseu:

O maior mandamento é o amor a  Deus por ele e o amor ao próximo como a nós mesmos.
publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 26 de Dezembro de 2006

Coelho de Sousa: Do Amor e do Ódio (V)

Palestras de Domingo

 

Do amor e do ódio

 

 

Depois dos sacrifícios de Abel e Caim que o ódio invejoso dividiu e separou na morte.

Não é mentira dizer que

"O ódio está tão entretecido com as fibras mais subtis e profundas do organismo humano;
Está tão dissolvido em cada gota do nosso sangue;
que pode dizer-se, sem receio de exagerar, que só ele tem escrito mais de metade da história da família humana.

Sim, pelo menos, até à vinda de Cristo ao mundo.

Antes do canto de Belém - paz aos homens de boa vontade - a humanidade afinada por aquele célebre dente por dente, olho por olho, tinha para si,como escreveu Tácito:


Que era próprio da sua condição odiar o que ofende...

Foi Cristo que, renovando a face da terra, imolado pelo ódio na ara do amor, proclamou a plenitude da lei:

Amar não só quem nos ama, mas mais, muito mais, quem nos odeia.

Querer bem ao nosso inimigo. 

Tags: ,
publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
|
Domingo, 24 de Dezembro de 2006

Coelho de Sousa: Do amor e do ódio (IV)

 

Palestras de Domingo

 

Do Amor e do Ódio





Não somos absolutamente da opinião criticável de Mantegazza que afirmou
que o sentimento mais humano era o ódio.

Embora seja verdade que o que sucede ao muito amor, quando quebrado, é o rancor do ódio insatisfeito.

E o pecado original foi a quebra do amor inicial, paradisíaco.

No complexo racional humano é bem verdade que o ódio é paixão mais viva que a amizade.

Porque se o amor é elevação, compreensão, doação, atractivo que identifica e imola,
o ódio é despeito e vingança, crueldade e rancor, despotismo e cegueira, crime e desgraça.

Se um bem traz consigo um cento de virtudes, muitas vezes um mal, aqui o ódio, faz-se acompanhar de uma infinitude desgraçada.


Tags: ,
publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 22 de Dezembro de 2006

Coelho de Sousa: Do Amor e do Ódio (III)

 

 

Palestras de Domingo

 

Do amor e do ódio

 

 

Pode-se viver na miséria e na tristeza,
quando há amor está-se na felicidade.


É por isso que a maior parte das vezes
há mais felicidade debaixo da capa de remendos
e na choça esburacada
que no brocado roçagante
ou no palácio encantado.

Tudo está no amor, fonte e mar, estrela e ceu, flor e fruto da verdadeira felicidade.

O antónimo do amor é o ódio.

Diz-se mesmo que o ódio é o amor às avessas.
É de Carlyle o pensamento.

O amor nasceu com a semelhança fundamental do homem com Deus.

O estado de justiça original era o reino do puro amor no homem.

A tentação demoníaca nasceu do ódio

A consequência foi o pecado odiento. 

 

Tags: ,
publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 20 de Dezembro de 2006

Coelho de Sousa: Do Amor e do Ódio(II)

 

 

Palestras de Domingo

 

Do Amor e do Ódio

 

 

Benavente, escritor de Espanha,
após uma tournée pelas Américas,
publicou, em 1924,
uma série de conferências pronunciadas nessa digressão.

Uma delas intitulava-se:

" A influência do escritor na vida moderna".

A certa altura afirma:

"É triste a condição da humanidade!
Que mais se unem os homens
para competir os seus ódios
que para competirem o amor".

O homem nasceu para o amor.

É por issso que ele sente a fome e a sede de amor
como  uma inclinação vital,
imprescindível.

É do próprio amor que nasce e se propaga a vida.

 

 

Tags: ,
publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2006

Coelho de Sousa: Do amor e do ódio (I)

 


Palestras de Domingo






Do amor e do Ódio











Os dois excertos que encimam esta entrada é que justificam que, nos próximos textos retirados aos cadernos das obras  não-publicadas de Coelho de Sousa, vamos mudar de tema e de forma literária.
Vamos passar da poesia para a prosa.
E vamos passar de temas religiosos para temas mais gerais.
No caso, um tema muito apropriado para a  época natalícia que já se vive: O Amor e o Ódio.
Esta foi uma das razões para a sua escolha.
Mas há outras.
A circunstância de conter a data da sua apresentação no Rádio Clube de Angra: 14-7-1957.
Fica resolvida assim, a dúvida  a que fiz referência no primeiro dos "posts" sobre a "história feita em quadras" e a data das "Palestras de Domingo".
Por aqui, ficamos a saber que foi 1957.
O mês desta palestra sobre o amor e ódio, foi  o de Julho.
Circunstância de muito pouco relevo para um tema que é de todo o ano e de todos os anos.

 

Tags: ,
publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
|

.

.

.Pesquisar neste blogue

 

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Últimas Entradas

. Seis horas antes

. SOBRE A BREVIDADE DA VID...

. Horas antes

. Da cor do gira-sol

. ...

. Logo

. Como a luz...

. Alamo Oliveira: Coelho de...

. O testemunho de Álamo Oli...

. Sacerdote

.Arquivos

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.Tags

. todas as tags

.99counter

<
Add to Technorati Favorites
blogs SAPO

.subscrever feeds