Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2008

Coelho de Sousa: Do Mar e da Saudade (III)

 

 

Também um dia quiseram
Atirar pedras a Cristo.
Ele era Deus e fugiu,
Eu não sou Deus... não resisto.

 

 


Não aceito como Estevão

As pedras com que me firam.
É sobre o mar que me vingo

De quantas pedras me atiram.

 

 

Atirei pedras ao mar
Sem o mar me fazer mal.
Quanto mais pedras atiro
Mais o mar se fica igual.

 

 

Tags: , ,
publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 29 de Janeiro de 2008

Coelho de Sousa: Do Mar e da Saudade (II)



Atirei pedras ao mar
Sem o mar me fazer mal.
Quanto mais pedras atiro
Mais o mar se fica igual.

Quantas pedras atirei
Todas se foram ao fundo.
Só não lhes posso atirar
Pedras que me atira o mundo...


Neste jogo de pedrada
Cada pedra cai na água.
Umas  caem sobre o mar
Outras nas ondas da mágoa.


Mas o mar é sempre o mesmo
Por mais pedras que a onda leve.
Porém, eu, de tanta pedra
Sinto já a vida breve.
Tags: , , ,
publicado por DSousa às 12:48
linque da entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 27 de Janeiro de 2008

Coelho de Sousa: Do Mar e da Saudade (I)





DO MAR E DA SAUDADE (I)




Verdadeiramente:
Ninguém poderá viver sem amar.

E quem ama, alguma vez, sentiu saudade.

A saudade é realmente uma constante na vida dos portugueses.

E não será inverosímil afirmar que,
ao dobro,
na vida dos açorianos,
isolados, distantes, perdidos no meio do mar...

Os olhos e o coração na vastidão do oceano que nos rodeia,
na distância dos horizontes que nos limitam.

E é por isso que
 por uma estranha magia,
nessa constância idiossincrática da saudade ,
a presença do mar é contínua e total.

Pois bem, estimado ouvinte,
os versos que hoje vou recitar em

A Vida é Para Ti,

são mais um testemunho dessa constância de mar e saudade,
postas numa porção de redondilhas maiores,
que, há dois dias, me vieram num jacto de maré cheia:

MAR E SAUDADE.


publicado por DSousa às 00:56
linque da entrada | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Janeiro de 2008

Coelho de Sousa - Ante o Presépio (V e último)



(V)





Quem alegra a juventude?
E quem ampara a velhice?
É da mãe tanta virtude
Pelo bem que fez e disse!

Não é rosa nem estrela
Nem só gota ou migalha
Outro bem igual a ela
Não tem o mundo que valha!

Pedi às rosas disseram
O que mais queriam ser
E as rosas me responderam
Ao menos mães parecer...

O melhor que a rosa encerra
Mais que a graça é o perfume
Pois o perfume da terra
É na mãe que se resume.

Violeta quantas vezes
Escondida vida fora
Paciência nos revezes
Alegria a toda a hora.


publicado por DSousa às 00:04
linque da entrada | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2008

Coelho de Sousa - Ante o Presépio (IV)



(IV)





Com três palavras apenas
Se escreve a palavra mãe
Que é das palavras pequenas
a maior que o mundo tem...

Diz a quadra e é verdade.
Ninguém há que o desminta
E ninguém mais que a orfandade
Haverá que isto sinta!

Não sofre o sol quando a luz
Faz o dia ao de manhã...
Mas à mulher pesa a cruz
De ser e chamar-se mãe!

Quem sofre antes do tempo
Numa espera dolorosa?
E quem arde no desejo
Da chegada saborosa?




publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2008

Coelho de Sousa - Ante o Presépio (III)



(III)




Não há dinheiro que afaste
Nem empenho que afugente
Ergue-se a foice na haste
Com que ceifa toda a gente.

Descuidados ou atentos,
Sejam velhos, sejam novos
Ninguém foge aos seus intentos
A morte é dona dos povos.

E terá havido alguém
Que haja pensado na sorte
Que ficou a cada mãe
Ante o mistério da morte?

Quem mais sofre do que ela?
Não há calor sem a chama.
E não há luz sem estrela.
Ela sofre quanto ama.

Antes que o filho nascesse
Ela já tanto sofria
E rezou ardente prece
Temendo que o filho morria.


publicado por DSousa às 00:23
linque da entrada | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008

Coelho de Sousa : Ante o Presépio (II)



(II)



Os homens falam de guerra
Falam de crimes e morte...
Fez-se o ódio o pão da terra
Não há mal que não lhe aporte.

Enchem-se os mares de pranto
Cobrem-se os montes de fogo
Cerram-se as valas enquanto
Vidas mortas tombam logo

Nem há vila nem cidade
Nem há homem nem mulher
Que se escape à mortandade
Que os vitima onde quer.

Cai o rico e vai-se o pobre,
O general ou soldado.
Toca ao plebeu e a nobre
Seja quem for é tocado.






publicado por DSousa às 00:05
linque da entrada | comentar | favorito
|

.

.

.Pesquisar neste blogue

 

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Últimas Entradas

. Seis horas antes

. SOBRE A BREVIDADE DA VID...

. Horas antes

. Da cor do gira-sol

. ...

. Logo

. Como a luz...

. Alamo Oliveira: Coelho de...

. O testemunho de Álamo Oli...

. Sacerdote

.Arquivos

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.Tags

. todas as tags

.99counter

<
Add to Technorati Favorites
blogs SAPO

.subscrever feeds