Sexta-feira, 29 de Fevereiro de 2008

Coelho de Sousa: Romance das mães que choram (III)














Embala, embala o menino,
Que o futuro está no berço!

Lavrador ou mestre-escola?
Há-de ser juiz? Soldado?
Soldado não, que é de guerra
E eu não quero que ele morra!

O menino o que há-de ser?

Senhor doutor p'ra curar
Doenças do mundo vário?
Venderá chita ao balcão?
Embarcará para a aventura?
Ou será padre de missa?

O  menino o que há-de ser?



Tags: ,
publicado por DSousa às 00:51
linque da entrada | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2008

Coelho de Sousa: Romance das mães que choram (II)





Só a mãe ficou chorando...
Está esperando outra vez...
Já não quer olhos azuis
E nem pensar na alvura,
Menos ainda em sorrisos,
O filho do meu amor
Há-de ser como Deus queira,
silenciava consigo...


Desabrochou outra flor,
Amadureceu outro fruto...
Um menino! E que perfeito.
É moreno, a cor do pai...
Olhos verdes,  esperança!
E o que há-de ser, o meu filho?





publicado por DSousa às 23:50
linque da entrada | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2008

Coelho de Sousa: Romance das mães que choram (I)









Romance das mães que choram
vou contar em verso branco
Para honrar todas as mães
Que já choraram nesta  vida.

Quem mais ama é quem mais sofre
E mais que a Mãe ninguém ama.
É por isso que o seu pranto
É maior que o mar imenso.

O seu pranto hei-de guardar
em meu coração de filho.
Nascemos para sofrer
E o pranto alivia a dor!


Certa mãe que eu conheci
Ao filho do seu amor
Esperou os meses todos.
E dizia a toda a gente:
Há-de ter olhos azuis,
Há-de ser branco de neve,
Nascerá rindo para mim.
Foi uma filha ceguinha
E escura como a dor
Que veio ao mundo a chorar.
E depois de baptizada
A menina foi-se embora
Abrir os olhos no céu.



Tags: , , ,
publicado por DSousa às 19:55
linque da entrada | comentar | favorito
|
Sábado, 23 de Fevereiro de 2008

Coelho de Sousa: É uma nuvem




É uma nuvem...





É uma nuvem trágica, infernal,
Que vem e que se apossa do meu ser.
O corpo fica lasso com o mal
E a alma  negra e fria a apodrecer.

Não há nem mais a mente para entender
Que a terra é tanta, a fúria é tal
Que o Verbo já não é. E para ver
Os olhos são de múmia espectral.


Envolta nos panais da ingratidão,
Mirrada dia a dia ao gosto vão
Do ser-não-ser como em delírio.

Oh Deus, como o arminho que da lama foge
Queria eu fugir da nuvem negra de hoje...
Ma seu sou eu. E a nuvem é o meu martírio.









publicado por DSousa às 20:19
linque da entrada | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2008

Coelho de Sousa: Dobra o Sino



Dobra o sino...






Dobra o sino a finados, dia e noite e mês
Num toque de plangência dolorida e atroz.
E ouço e vejo nele o eco duma voz
Que é nossa, meus irmãos, é minha e de vocês;


Dos que se foram ontem, tão longe de nós
De quantos vão agora ou amanhã talvez,
aquele toque triste a soma toda fez
e na saudade amarga da minha alma pôs.


E eu conto as badaladas em milénios de anos
eternizados lá mas sem conter enganos
que as contas deste dia aqui possam levar...


Dobra o sino a finados, mortos em colheita:
à esquerda os sem memória, eleitos à direita.
E eu em qual dos lados me hei-de encontrar?



publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2008

Coelho de Sousa: Quando o Silêncio

                     Quando o Silêncio...



Quando o silêncio me domina
E não sou mais que um ponto no infinito,
Eu sinto dentro em mim ânsias de um grito
A voz da alma  pequenina!



A noite é como um lago onde não cresce
Nenufar doiro ou sangue ou nada...
E vem dentro de nós alada
a voz do imponderável que entumesce...



E faz-se a onda viva, enorme,
batendo as praias todas da nossa alma...
- mar de Silêncio e Ciúme  e Peixe e Calma -
Que ao fundo o turbilhão já dorme.



Meu grande nauta delirante,
Que vais na barca e rumo nessa Estrela.
Marca bem o rumo, rasga-te a Vela,
A proa erguida, avante!


Nota   Este é um poema introduzido aqui, por razões semelhantes ao anterior. Aparece numa folha solta deste caderno de 1962 mas, pela temática, parece datar dos anos 50, altura da composição e edição dos "Poemas de Aquém e Além", onde abundam estes  temas dos estados de alma, ao mesmo tempo personalizados e abstractos.
publicado por DSousa às 00:34
linque da entrada | comentar | favorito
|
Sábado, 16 de Fevereiro de 2008

Coelho de Sousa: Saudade




Saudade



Uma saudade ficou
Perdida dentro de mim.
Nunca vi saudade assim!
Quem seria que a encontrou?

Foi no mar que se perdeu
(É um mar que tenho em mim)
Nunca vi saudade assim
Se alguém achou, não ma deu!

Saudade sempre perdida,
Perdida dentro de mim!
Nunca vi saudade assim,
Saudade da minha vida.

Pergunto aos cardos, à bruma,
Se a encontraram dentro em mim?
Responderam:Saudade assim,
Não se encontra em parte alguma

E no entanto é verdade:
Perdeu-se dentro de mim.
Nunca vi saudade assim
Saudade doutra saudade!




Nota: Resolvi introduzir este poema aqui, pelo seu tema.
Com efeito, datando de 1956, portanto, meia dúzia de anos antes dos poemas do caderno que tenho vindo a publicar, a sua temática e conteúdo são paralelos aos do caderno.
Até parece um sumário condensado, e de grande inspiração e beleza formal,  do tema que Coelho de Sousa desenvolveria, anos depois, aos microfones do Rádio Clube de Angra. Curiosamente ainda, encontrava-se entre as páginas deste caderno, com o formato de um postal ou ficha.
Ou por simples acaso, ou, quem sabe, porque Coelho de Sousa o terá utilizado como mote, que desenvolveu anos depois.


publicado por DSousa às 08:50
linque da entrada | comentar | favorito
|

.

.

.Pesquisar neste blogue

 

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Últimas Entradas

. Seis horas antes

. SOBRE A BREVIDADE DA VID...

. Horas antes

. Da cor do gira-sol

. ...

. Logo

. Como a luz...

. Alamo Oliveira: Coelho de...

. O testemunho de Álamo Oli...

. Sacerdote

.Arquivos

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.Tags

. todas as tags

.99counter

<
Add to Technorati Favorites
blogs SAPO

.subscrever feeds