Quarta-feira, 14 de Setembro de 2005

"Boa Nova": O Trabalho é mesmo uma cruz?

http   www ibiblio org wm paint auth mantegna calvary jpg 14-09-2005 14 30 55.jpg  Qualquer que seja o vosso trabalho, fazei-o de boa vontade, como quem serve ao Senhor e não aos homens, certos de que recebereis como recompensa a herança do Senhor. Col III, 17 .


É com o seu trabalho que o homem sustenta a própria vida e a dos seus; por meio dele se une e serve aos seus irmãos, pode exercer caridade e colaborar no acabamento da Criação divina. Vat. II G.S. 67 .


 Há tanta falta de emprego como falta de trabalho?


Ou há mais falta de vontade de trabalhar, com perfeição e sentido de poupança e respeito por si e pelos seus?


Será que a justiça social digna está remunerando dignamente todo o trabalho?


Ou há desproporções escandalosas nos salários da Social Democracia Portuguesa? Coelho de Sousa

publicado por DSousa às 14:06
linque da entrada | comentar | favorito

"Boa Nova": O Barro de Deus

http   www ibiblio org wm paint auth mantegna calvary jpg 14-09-2005 14 30 38.jpg 

Trazemos a vasos de barro o tesouro do nosso ministério, para que se reconheça que um poder tão sublime vem de Deus. II Cor XII, 19 . </p>

O Cristão não é senhor de si mas está ao serviço de Deus. Esta obra é de Deus e também é vossa, se a levardes a bom termo. St.º Inácio de Antioquia


Se Cristo não veio para ser servido, quanto mais, nós? Entre disponibilidade para servir ou servir-se há distâncias enormes.


 E hoje um dos sinais dos tempos é esta habilidade de subir sem mérito. Basta um pouco de realidade original. Coelho de Sousa

publicado por DSousa às 13:57
linque da entrada | comentar | favorito
Sábado, 3 de Setembro de 2005

Coelho de Sousa: Um testemunho

Há poucos dias, recebi o seguinte cartão, acompanhado de cópia do artigo a que nele se faz referência e de que reproduzo parte.

 


 Agora que tive conhecimento da sua morte, as suas palavras ecoam-me nos gonzos da memória. Meu saudoso professor de português no então Liceu Nacional de Angra do Heroísmo, foi pela mão dele que eu iniciei a aventura da escrita. Dificilmente esquecerei aquele dia em que ele confirmou, numa aula, a existência de Deus, nestes termos: “Deus existe. Nunca O vi, mas sei que Ele existe. Também não vejo o vento, mas sei que ele existe porque o sinto a bater-me na cara”.


Referência indelével no imaginário de várias gerações de estudantes, o “padre Coelho” (como era popularmente conhecido) possuía o charme discreto de quem nunca deixou de sonhar intensamente. Foi um padre “progressista”, na verdadeira acepção da palavra. Mas sempre se assumiu como homem do povo, mantendo-se fiel às suas origens humildes e populares. Poucos como ele estiveram atentos às manifestações da cultura popular terceirense. Ele amou profundamente o seu povo.


Com o povo viveu, festejou e sofreu. E exerceu o ministério sacerdotal de forma apaixonada. Sempre de forma apaixonada.(…)


Vivendo no microcosmo da ilha Terceira, o padre Coelho de Sousa foi um homem profundamente universal. Ele sentia em si todo o Universo e toda a dor do mundo. Viveu de actos e palavras, notabilizando-se como orador sacro: denunciou a falsidade, o egoísmo, a injustiça, o cinismo, a corrupção e a insensatez dos homens. (…)


Nas suas crónicas, Coelho de Sousa assumiu sempre a lucidez de uma consciência critica perante o mundo que o rodeava.


Aliás convirá aqui referir que, em tempos de repressão fascista, ele foi a coragem e a voz resistente — no púlpito, na escrita e aos microfones do Rádio Clube de Angra, de que foi director.


Eloquente e afável, Coelho de Sousa foi um homem da metáfora poética(…)


A obra poética de Coelho de Sousa espelha bem a lucidez fascinante do seu autor. Poeta do humano e do simbólico, a sua poesia conta e canta a trindade Criador-Amor-Ilha, e é atravessada por esse amor pressentido, luminoso e feliz.


Pintor que também foi, Coelho de Sousa retratou a alma humana no tempo da angústia e da solidão enorme.


E fixou, em tintas de esperança, a evidência e a plenitude do amor.


“A minha guerra é de Amor”, escreveu num dos poemas insertos em “Três de Espadas”.


A vida de Coelho de Sousa não foi outra coisa senão isso mesmo: uma guerra de. amor ao próximo.


Afinal Deus existe! E, decididamente, o Padre Coelho está vivo.

publicado por DSousa às 00:03
linque da entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 2 de Setembro de 2005

Coelho de Sousa: Um Poema


NÃO…


Não venhas nunca, não.


Fica-te além na tarde semi-morta


Como um lamento doce de maré na praia ardente.


 


Não venhas nunca, não.


Pois se tu vieres,


Hás-de juncar meus passos de saudades rubras.


 


 Fica-te ao longe abraçando a opala


Dos horizontes.


Não venhas nunca, não.


Pois se tu vieres,


Secam-se as fontes do coração


De quem te espera,


Sem querer que venhas.


 


E ficará sem fala


Um manso olhar que te venera


Sem jamais te ver.


Não venhas nunca, não, sorte encantada.

publicado por DSousa às 23:16
linque da entrada | comentar | favorito

Coelho de Sousa: Dez Anos é Muito Tempo?


Faz, hoje, dez anos que morreu Coelho de Sousa.


Considerando o silêncio total, com que, nos Açores, a data está decorrendo, poderá parecer muito tempo.


Muito tempo, para alguém que foi um marco na vida da sociedade e da igreja açoriana.


Muito tempo, para alguém que, igualmente, deixou a sua marca e influência, em várias gerações de alunos do Seminário de Angra e no, então, Liceu de Angra.


Muito tempo, para alguém que teve voz e escrita diária, durante anos seguidos, na rádio e nos jornais.


Muito tempo, para alguém que foi considerado o último grande nome da oratória sagrada da Igreja dos Açores, num período em que a voz da Igreja ecoava com força e influência real, dentro e fora dos templos.


Muito tempo, para quem espalhou talento e arte, durante anos e anos, por festas, comemorações, desfiles e cortejos pelas cidades, vilas e freguesias da Terceira e de outras ilhas dos Açores.


Muito tempo, para quem, durante dezenas de anos, manteve uma prodigiosa e infatigável capacidade para se desdobrar, em presença activa, por todo o tipo de iniciativas e actividades de cariz cultural e artístico, desde os presépios do Seminário de Angra, da sua juventude, até às peças de teatro e às danças de carnaval da sua maturidade. Desde a poesia da sua estreia, em livro, em 1955, até ao seu último livro em prosa, em 1994. Desde a crónica diária em jornal, até à presença regular na rádio e à chamada esporádica à televisão.


É,de facto, muito silêncio e aparente esquecimento, para quem foi uma presença contínua e visível, durante mais de cinquenta anos, na vida de muitos milhares de açorianos.


Só mais um dado, a atestar este facto.


No prefácio ao primeiro livro de poesia de Coelho de Sousa, Poemas de Aquém e Além, em 1955, José Enes dizia : "O P.e Manuel Coelho de Sousa é assaz conhecido, nos Açores, como orador sagrado, poeta e desenhista".


Nos quarenta anos seguintes da sua vida, esse conhecimento e reconhecimento não cessou de aumentar e de se alargar dentro e fora dos Açores.


Mas o silêncio, embora pesado, ainda não é total.


Para Coelho de Sousa, o mês de Setembro ficou assinalado por dois factos relevantes. A sua morte, em 2 de Setembro de 1995, e o seu nascimento, em 30 de Setembro de 1924.


Se não foi possível assinalar, hoje, com alguma iniciativa apropriada, os dez anos do seu falecimento, posso anunciar que, no final deste mês, vão ser comemoradas aquelas duas datas, com o lançamento da segunda edição dos "Poemas de Aquém e Além".


Creio ser uma iniciativa adequada para recordar Coelho de Sousa, através de uma das facetas marcantes da sua personalidade artística.


A de poeta.


E de poeta vivo.


Dez ou cem anos, após a sua morte física.

publicado por DSousa às 20:27
linque da entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito

.

.

.Pesquisar neste blogue

 

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Últimas Entradas

. Seis horas antes

. SOBRE A BREVIDADE DA VID...

. Horas antes

. Da cor do gira-sol

. ...

. Logo

. Como a luz...

. Alamo Oliveira: Coelho de...

. O testemunho de Álamo Oli...

. Sacerdote

.Arquivos

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.Tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds