Terça-feira, 17 de Outubro de 2006

Coelho de Sousa: O Mar e a Dor (VII)

 

O mar e a dor ( VII)

 

 

E foi o fim.

 


Então o mar bramiu furioso...
O sal ficou tão amargoso
Que o seu travor
Só pudesse o amor
de um Deus
Enfim
tragar...

 


 

 

Bateu de encontro à cruz
O mar salgado.
Mas foi da treva que nasceu a luz.
E o sal do pecado
Ficou a ser doçura
Redimida
em graça e na fartura
do amor que em morte trouxe a plena vida...
A vida que é para ti...

 


 


O sal e a dor!
É tudo amor!
Amor! amor!

Tags: , , ,
publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Domingo, 15 de Outubro de 2006

Coelho de Sousa: O Mar e a Dor (VI)

O Mar e a Dor (VI)

 

Santo dos Santos! Presente!
Dos sete lumes o brilho...
Eis aqui o nosso Filho!

 

E o velho ancião que pressente
O tempo que já chegou
Olhos no céu e falou:

 

Sinal de contradição!
Este menino há-de ser
E oh! mãe, teu coração
Uma espada há-de sofrer!

 

E do mar a água salgada
Mais salgada inda ficou
No pranto que ela chorou
Ao sentir  a aguda espada!

publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Sexta-feira, 13 de Outubro de 2006

Coelho de Sousa: O Mar e a Dor (V)

O Mar e a Dor (V)

 

Mas tu choraste, Senhora,
E o teu pranto foi um mar.
Ai! de quem não for agora
No teu pranto a alma lavar...

 

Foi, então, desde essa hora
Que o mar ficou mais salgado
Tinha o teu pranto, Senhora
E o nosso sal de Pecado...

 


 

 

É meia noite, é de dia!
É um milagre dos céus.
Pois nos braços de Maria
Eis um menino que é Deus!

 

Mas o menino chorou
E com Ele sua Mãe.
Foi assim que começou
Crescendo o sal que o mar tem.

publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Outubro de 2006

Coelho de Sousa: O Mar e a Dor (IV)

 

O Mar e a dor (IV)

 

Oh! Mar alto, mar tão largo
Em cada onda que tens
Anda o sal do pranto amargo
Que choraram nossas mães!
 
Nesse teu olhar pisado
Cor de goivo e de martírio
Anda a sombra do pecado
Que manchou da alma o lírio.
 
Não é teu, que não podia
esse mal ser-te pertença...
Só é nossa a rebeldia
Só é nossa a vil ofensa.
publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Outubro de 2006

Coelho de Sousa: O Mar e a Dor (III)

 

O Mar e a Dor (III)

 

E o mar guardava segredos
Como escondia procelas,
Pois não dizia aos rochedos
O seu amor às estrelas...
 
Oh! mar imenso! Oh! mar lindo
Quem poderá celebrar
O teu encanto infindo
Que a mim me faz encantar!
 

 
Mas o milénios rodaram
E aumentaram suas águas,
Suas ondas se salgaram
dos nossos prantos e mágoas
 
E já do céu as estrelas
Não desciam para o banho
Pois vieram as procelas
Mais o dilúvio tamanho.
 
publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Sábado, 7 de Outubro de 2006

Coelho de Sousa: O Mar e a Dor (II)

 

O Mar e a Dor (II)

 

E o mar também contava
Histórias lindas de amor
A uma rocha de lava
Que lhe deu Nosso Senhor

 

E tinha ricos presentes
de continhas de coral
Que em tardes de estio ardente
Dava ao seu amor ideal 

 

Era feito um mar de azeite
Mansinho como um cordeiro
Que um luar branco de leite
Tinha nele o travesseiro...

Pelo verão, as estrelas
Com seu corpo de ambrosia
Vinham banhar-se. Era vê-las
Espadanando alegria.

publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Quinta-feira, 5 de Outubro de 2006

Coelho de Sousa: O Mar e a Dor (I)

A Vida é para ti


Hoje, o poema original do P.e Coelho de Sousa que está nos nossos microfones tem por título...

 


 



O Mar e a dor

 

Quando o Senhor fez o mundo
Era o mar bem mais pequeno.
Não era tanto profundo
E o seu bater mais sereno...


Qual buliçosa criança
Numa alegre roda-viva,
Maré cheia de esperança
Que não tem alma cativa.


Beijava as praias contente
Ou lenho que nele fosse.
Tinha um azul esplendente
E o seu sal era mais doce.

 

 

publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito

.

.

.Pesquisar neste blogue

 

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Últimas Entradas

. Seis horas antes

. SOBRE A BREVIDADE DA VID...

. Horas antes

. Da cor do gira-sol

. ...

. Logo

. Como a luz...

. Alamo Oliveira: Coelho de...

. O testemunho de Álamo Oli...

. Sacerdote

.Arquivos

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.Tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds