Quinta-feira, 17 de Maio de 2007

Coelho de Sousa: E não podia calar-se (VI)



E não podia calar-se

           (VI)




Ah! Ah! Ah!

Comei! Bebei à farta sem receio!
Aos meus  celeiros ninguém vê o fundo!
Que nem tão pouco se veria o meio
Embora aqui jantasse todo o mundo!




Bravo! Mais vinho! Salvé, Grande Herodes!
Só tu nos compreendes! Salvé, oh! Rei!..




- É claro que estou triste... e só tu podes
Fazer-me alegre... - Diz e te darei:


- Já tantas vezes foi que me prometeste...
Mas o profeta ainda não morreu...
Nos baixos do palácio o prendeste...
Mas quem está presa sou somente eu!




Enquanto a sua voz sempre gritar,
Julgando no pecado o nosso amor,
Hei-de ser triste... manda-o calar..
- Mas como hei-de calar o precursor,


Se o Verbo que lhe sai da boca é fogo?
Se o seu olhar a mim primeiro cala?
Vamos querida, alegra-te e mais logo
Havemos de afogar a sua fala!...




publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Terça-feira, 15 de Maio de 2007

Coelho de Sousa: E não podia calar-se (V)



E não podia calar-se



(V)






João!... - Senhor! Deitai na minha fronte
as águas deste rio mansamente...
E desde aqui há-de nascer a fonte
Que gera os dons de  Deus, eternamente...




-Senhor, assim será como quereis...
Cumprida eu sinto já minha missão...
Lançai ao mundo todo as vossas leis..
Eu volto para o deserto, à oração!...



-Espera, escuta ainda: Este é meu Filho
Em quem eu pus amor e complacência!
- Senhor, quem fala é luz de intenso brilho.
- Meu Pai, do seu Espírito a Ciência!



E tu, João, vai  testemunhar
a luz que se acendeu dentro de ti...
Não terminou ainda o teu pregar.
Irás morrer porque me viste aqui!


publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Domingo, 13 de Maio de 2007

Coelho de Sousa: E não podia calar-se (IV)

   

E não podia calar-se


                (IV)






Oh! Gentes, aplanai vossos caminhos...
Endireitai veredas de paixões...
Sabei que não estais aqui sózinhos,
Erguei bem alto os vossos corações...




Que não se cale a vossa e minha voz!
Eu sei que já nasceu do mundo a vida...
Já se avizinha... está no meio de nós...
E toda a lei será nele cumprida...



Olhai em derredor, que os cegos veem,
Aprontai todo o ouvido para ouvir...
Eis o Cordeiro... Já chegou... aí vem!
Que aos homens bem dissera: Eu hei-de vir!



Eu nada valho, eu nada sou, meu Deus!
Areia do deserto e pouco mais!
Beijar os seus sapatos... rastos seus!
Quem poderá, oh! gente que escutais!



E no entanto, eu vejo que ele chega,
Traz no olhar o lume do amor,
E vem como o cordeiro para a entrega,
do sacrifício a  Deus, Nosso Senhor...





publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Sexta-feira, 11 de Maio de 2007

Coelho de Sousa: E não podia calar-se (III)

 

E não podia calar-se

           

 (III)








Quem sabe donde vinha tanta gente?
De Bersabeia ao Sul, Jerusalém,
De Jape e Cesareia no poente,
E muito perto Siquem e Efrem?





Talvez de Jericó, Betânia e Pela;
Talvez de Tiberíades e Magdala;
Quem sabe quantos olham uma estrela;
Quem sabe quantos ouvem uma fala....






Das bandas de Belém vinha um segredo,
Que Nazaré guardou sem compreender...
E novamente o encontro que o rochedo
de Hebron pela visita pôde ver...




Quem sabe donde vinha tanta gente
Para escutar o Verbo novo, aberto,
No inspirado grito, eloquente
Que ao mundo fala no meio do deserto:



publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Quarta-feira, 9 de Maio de 2007

Coelho de Sousa: E não podia calar-se (II)

 
E não podia calar-se


              (II)




 
 





E corre a pisar seu rio Jordão
Que as águas também falam
                                      do abismo
A desaguar virão do coração
As águas do amor pelo baptismo








Nas suas mãos erguidas como atleta,
Aa vara do arrimo e do poder.
Na sua boca o verbo do profeta
rogando o mundo todo ao Verbo ver.





 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
E mais que tudo na alma arde um vulcão,
Abrindo a treva densa ao seu fulgor...
Espadaúdo e alto, São João,
Clamando, ardente, ao homem: Eis o Amor.




 
 
 
 
 
 
publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Segunda-feira, 7 de Maio de 2007

Coelho de Sousa: E não podia calar-se (I)



E não podia calar-se


(I)








Jamais o tinham visto na Judeia.
Espadaúdo e alto, ardente e forte,
Trazia o rosto seu a cor da areia
E tinha o braço erguido para o norte.






O mel silvestre fora o seu sustento
E gafanhotos deram  seu petisco.
Na sua voz trazia agora o vento
A porta aberta para o grande aprisco.







Caminhos da cidade não sabia.
Palácios e salões, ao seu desprezo...
Só vinha para ensinar o sol ao dia;
Trazer no fogo, o mundo todo preso.



publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Sábado, 5 de Maio de 2007

Coelho de Sousa: As nossas mãos... e as d'Ele...(XII e último)



As nossas mãos... e as Dele.








As mãos divinas no horto...

As mãos divinas na cruz

São as mãos de Cristo morto.

Por três dias foi-se a luz
Que há-de vir no dia grande
E serão no dia eterno
Mãos de Deus na eterna Glória...






E nada mais... minha alma!

Agora podes falar...
Pois é tempo de eu calar
este programa de vida.



O que me digas a mim...
ninguém o há -de saber
Os segredos que me dizes
morrem quando eu morrer...


As nossas  mãos e as Dele...
As nossas mãos e a vida!
A vida que é para ti
E não podemos perder!




Tags:
publicado por DSousa às 02:26
linque da entrada | comentar | favorito

.

.

.Pesquisar neste blogue

 

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Últimas Entradas

. Seis horas antes

. SOBRE A BREVIDADE DA VID...

. Horas antes

. Da cor do gira-sol

. ...

. Logo

. Como a luz...

. Alamo Oliveira: Coelho de...

. O testemunho de Álamo Oli...

. Sacerdote

.Arquivos

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.Tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds