Sábado, 16 de Junho de 2007

Coelho de Sousa: De Porta em Porta (XII e último)

   
De Porta em Porta


        (XII)


A justiça sem guarida







E a morte me fechou também a porta. E eu...
E eu voltei de novo para a rua... É meu

destino andar de porta em porta sem ninguém
me receber... pois todos julgam que me têm...

E grande número vive sem me conhecer...
Matar-me ninguém pode... Eu não posso morrer..


Sou a justiça eterna... E a Justiça é Deus...
Eu sou a paz da terra e a glória dos céus...



Irei de porta em porta... É este o meu destino...
Hei-de pedir pousada, como um peregrino.

Aceitarei de esmola ao bem sua guarida
E em paga deixarei ao homem sua vida...

A vida, aquela vida onde reina o amor...
A vida... A vida que é para ti... Em Deus, Senhor...


(2-IX-955)






publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Junho de 2007

Coelho de Sousa: De Porta em Porta (XI)

       De porta em porta


(XI)


A justiça desprezada

 


 

 




E a morta me volveu admirada e breve:
Mas como podes ser tu a Justiça? Esteve

a humanidade aqui a celebrar-te a morte...
Essa criança a quem tu lastimaste a sorte

Trazia em suas mãos os goivos da saudade
Já morreu a justiça... Esta é que é a verdade.





publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Terça-feira, 12 de Junho de 2007

Coelho de Sousa: De Porta em Porta (X)

 

 

De porta em porta

(X)

A justiça desprezada

 

 


 


 

E fora por ali que  a multidão entrara,
Pois era ali o termo daquela senda rara.

 

Bruxeleante luz de vela quase morta
marcava a quem entrasse o rumo doutra porta:

 

E fui ali bater...Talvez a derradeira
havia de ser... Bati... Surgiu-me uma caveira

 

Horrível, sobre pilha de ossos, temerosa...
E perguntou: Quem sois? (Tinha a voz cavernosa)...

 

Eu sou... E tu quem és? Sabei que sou a morte
E eu, notai, que sou, por Deus! Justiça forte...

 

 

 

 


 

 

 

publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Domingo, 10 de Junho de 2007

Coelho de Sousa: De Porta em Porta (IX)

        De porta em porta

              (IX)


A justiça desprezada






Abandonada e só, subia uma criança
Maltrapilha e triste, era a morte de uma esperança.

Sem que eu a boca abrisse, a perguntar me diz:
Quem sois assim estranha, tu também subis?

Alheia de mim mesma respondi: eu vou
aonde também fores...E eu quem sou? Eu sou..



Ah! desaparecera... Tinha-se ido embora,
aquela criancinha triste, encantadora

Não tinha a quem falar e não sabia nada...
Mas, em compensação, diante de mim, rasgada,

estava dando entrada, grande porta aberta...
Entrei também... Entrei. A sala estava deserta...











publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Sexta-feira, 8 de Junho de 2007

Coelho de Sousa: De Porta em Porta (VIII)



De Porta em Porta


           (VIII)

A justiça Desprezada









Também entrei na Igreja, encontrei-a vazia...
Falei para as estátuas, mas eu nada ouvia...

Subi! Subi mais alto e fui junto ao altar...
Então ouvi dizer: Volta de novo a andar

E vai de porta em porta a perguntar, saber
Aonde as multidões caminham a sofrer...

Pergunta ao  pobre ou rico, avelhentado ou novo;
ao pecador ou santo, ou a qualquer do povo

E tudo saberás. Voltei à rua, então
E fui seguindo atrás da enorme multidão...





publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Quarta-feira, 6 de Junho de 2007

Coelho de Sousa: De Porta em Porta (VII)

       
 De porta em porta

              (VII)
A Justiça Desprezada








E eu, justiça, fui de porta em porta ainda...
Mas esta multidão, assim enorme, infinda,

donde virá, aonde irá? Ao futebol ?
Talvez à praia ? Estava tão ardente o sol!

Não há tourada, hoje... E a verbena à lua
É no jardim à noite, e não assim,  na rua...

Mas esta gente toda, assim, aonde irá?
Vão todos em silêncio... aonde irão? Sei lá!

E fui andando, andando... Eu já ia cansada...
Bati em toda a porta... Ninguém dizia nada...


publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito
Segunda-feira, 4 de Junho de 2007

Coelho de Sousa: De Porta em Porta (VI)




De porta em porta

       
(VI)
A justiça Desprezada








Mas a que porta, então, eu vim bater? Será
café, cinema, ou banco ou cabaré? Sei lá!

E mesmo que estes fossem, não podia entrar...
Justiça aqui, talvez, mal pode ter lugar...

E mesmo quando o tem, sai tão ferida às vezes...
Mas esta casa tem inúmeros fregueses...

Virão buscar remédio à medicina exacta?
Que é tão segura agora que a ninguém já mata?

Também não era ali a porta do hospital...
Pensei que fosse a entrada do tribunal...

E entrei, que ali eu tenho cátedra segura...
Mas, nem juiz nem réu, a sala estava escura...

Vem o porteiro então e grita " Vá p'ra rua"
Não há sentença hoje e... a casa não é tua...



publicado por DSousa às 00:00
linque da entrada | comentar | favorito

.

.

.Pesquisar neste blogue

 

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Últimas Entradas

. Seis horas antes

. SOBRE A BREVIDADE DA VID...

. Horas antes

. Da cor do gira-sol

. ...

. Logo

. Como a luz...

. Alamo Oliveira: Coelho de...

. O testemunho de Álamo Oli...

. Sacerdote

.Arquivos

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.Tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds