Sábado, 3 de Setembro de 2005

Coelho de Sousa: Um testemunho

Há poucos dias, recebi o seguinte cartão, acompanhado de cópia do artigo a que nele se faz referência e de que reproduzo parte.

 


 Agora que tive conhecimento da sua morte, as suas palavras ecoam-me nos gonzos da memória. Meu saudoso professor de português no então Liceu Nacional de Angra do Heroísmo, foi pela mão dele que eu iniciei a aventura da escrita. Dificilmente esquecerei aquele dia em que ele confirmou, numa aula, a existência de Deus, nestes termos: “Deus existe. Nunca O vi, mas sei que Ele existe. Também não vejo o vento, mas sei que ele existe porque o sinto a bater-me na cara”.


Referência indelével no imaginário de várias gerações de estudantes, o “padre Coelho” (como era popularmente conhecido) possuía o charme discreto de quem nunca deixou de sonhar intensamente. Foi um padre “progressista”, na verdadeira acepção da palavra. Mas sempre se assumiu como homem do povo, mantendo-se fiel às suas origens humildes e populares. Poucos como ele estiveram atentos às manifestações da cultura popular terceirense. Ele amou profundamente o seu povo.


Com o povo viveu, festejou e sofreu. E exerceu o ministério sacerdotal de forma apaixonada. Sempre de forma apaixonada.(…)


Vivendo no microcosmo da ilha Terceira, o padre Coelho de Sousa foi um homem profundamente universal. Ele sentia em si todo o Universo e toda a dor do mundo. Viveu de actos e palavras, notabilizando-se como orador sacro: denunciou a falsidade, o egoísmo, a injustiça, o cinismo, a corrupção e a insensatez dos homens. (…)


Nas suas crónicas, Coelho de Sousa assumiu sempre a lucidez de uma consciência critica perante o mundo que o rodeava.


Aliás convirá aqui referir que, em tempos de repressão fascista, ele foi a coragem e a voz resistente — no púlpito, na escrita e aos microfones do Rádio Clube de Angra, de que foi director.


Eloquente e afável, Coelho de Sousa foi um homem da metáfora poética(…)


A obra poética de Coelho de Sousa espelha bem a lucidez fascinante do seu autor. Poeta do humano e do simbólico, a sua poesia conta e canta a trindade Criador-Amor-Ilha, e é atravessada por esse amor pressentido, luminoso e feliz.


Pintor que também foi, Coelho de Sousa retratou a alma humana no tempo da angústia e da solidão enorme.


E fixou, em tintas de esperança, a evidência e a plenitude do amor.


“A minha guerra é de Amor”, escreveu num dos poemas insertos em “Três de Espadas”.


A vida de Coelho de Sousa não foi outra coisa senão isso mesmo: uma guerra de. amor ao próximo.


Afinal Deus existe! E, decididamente, o Padre Coelho está vivo.

publicado por DSousa às 00:03
linque da entrada | comentar | favorito
1 comentário:
De Blueyes41 a 3 de Setembro de 2005 às 18:22
Deus existe e ajuda-nos a perceber a grandeza das almas que elogiam o Amor, e neste caso é um testemunho digno de ser comentado com toda a simpatia. Bem Haja quem assim escreve. Cumprimentos

comentar entrada


.

.

.Pesquisar neste blogue

 

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.Últimas Entradas

. Seis horas antes

. SOBRE A BREVIDADE DA VID...

. Horas antes

. Da cor do gira-sol

. ...

. Logo

. Como a luz...

. Alamo Oliveira: Coelho de...

. O testemunho de Álamo Oli...

. Sacerdote

.Arquivos

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

.Tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds